Não se deixe enganar: o Pré-sal é rentável!

queda no preçoTem gente por aí querendo fazer você acreditar que o Pré-sal não é rentável. Na mídia e no Congresso os burburinhos constroem a ideia de que não há mais solução: é preciso entregar o Pré-sal e a Petrobras para os gringos e, então tudo se resolverá. Mas será mesmo? Não se deixe enganar, a história não é bem assim – aliás, não é nada assim.

Primeiramente, é preciso deixar claro: passamos por uma crise mundial no setor e a queda do preço do barril de petróleo deixa todas as multinacionais em apuros. No meio do ano balanços trimestrais mostraram que a Shell registrou queda de 33% nos lucros, demitiu funcionários e cortou custos. Já a British Petroleum teve prejuízo superior a US$ 6 bilhões enquanto o lucro da Exxonmobil caiu 52%. Ah, enquanto isso o lucro da Petrobras superou o da Chevron, Exxon e BP.

Bom, mas é inegável que o preço do barril está caindo. Pois é, e mesmo assim, o Pré-sal segue lucrativo e com exploração viável. Solange Guedes, diretora de Exploração e Produção da Petrobras afirma que não há nada no momento que indique que o cenário mudará a ponto de inviabilizar a exploração. “Ele tem se mantido lucrativo à companhia e com a exploração viável mesmo com a queda do preço no mercado”, afirmou em entrevista ao Estadão.

A Petrobras tem obtido ganhos em escala. O custo da produção por barril caiu 11% só no último ano, enquanto que os custos de construção de poços, responsáveis por 50% dos investimentos do Pré-sal, cairam à metade desde 2010. Assim os custos operacionais reduziram consideravelmente. Além disso, a empresa tem 15 plataformas  produzindo no Pré-sal com excelente desempenho, apesar da queda dos preços.

Portanto, não caia nessa história de que tirar a obrigatoriedade de participação da Petrobras na exploração do Pré-sal melhoraria as coisas. Quando uma empresa que só busca o lucro assume a exploração, graves consequências podem vir: produção predatória, mais riscos de acidentes, risco de fraudes na declaração de produção, perda do petróleo como estratégia internacional e diminuição das compras de plataformas.

“O Pré-sal é o mais importante negócio da Petrobras e a mais relevante oportunidade energética que o Brasil dispõe”, como afirmou Solange Guedes. Afinal, por que você acha que as multinacionais estão de olho nele, como alertou o Wikileaks?

Anúncios

Campanha tendenciosa contra a Petrobrás afeta os trabalhadores do setor

A gente sabe que está em curso uma campanha encabeçada por entreguistas e alguns setores da imprensa para desacreditar a Petrobrás e abrir caminho para as privatizações. Isso não é acontecimento recente, vem de décadas e alcança picos de vez em quando. É a galera do “quanto pior, melhor” fazendo o seu trabalho de catastrofista.
O que ninguém para pra pensar é nas implicações que tal campanha tem na vida de quem dedicou anos e anos de trabalho ao petróleo. Em março, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) ingressou com uma Ação de Responsabilidade Civil contra Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco, por Danos Morais coletivos causados aos trabalhadores.

Em nota, a FUP afirma que a ação, que corre na 1ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, “visa responsabilizar os ex-gestores por danos causados às “honras pessoais” e ao “coletivo espírito de corpo” dos mais de 80 mil trabalhadores da Petrobrás que estão na ativa e também milhares de aposentados que ajudaram a construir a empresa”. A ação aguarda parecer do Ministério Público.

A Federação diz ainda que desde o início da Operação Lava Jato, em março do ano passado, “os petroleiros vêm sendo vítimas de insinuações, piadas e outros tipos de constrangimento, em função da distorcida e tendenciosa cobertura da imprensa, que tem levado a opinião pública a associar a Petrobrás à corrupção. Um ex-executivo da Petroquímica Triunfo chegou a divulgar um vídeo na internet, declarando que a empresa “virou um condomínio político de ladrões de primeira linha””.

A FUP reforça a campanha dos sindicatos e movimentos sociais em defesa da Petrobrás e do Brasil, já que a “estatal não pode ser criminalizada, nem seus trabalhadores penalizados por erros individuais de algumas pessoas”. Na ânsia por difamar a empresa, os catastrofistas não se preocupam com quem fica no meio do caminho e tem anos de suor e luta na construção e defesa do nosso patrimônio. A Petrobrás é patrimônio do povo brasileiro, que não vai assistir calado à tentativa de entregar nossas riquezas às exploradoras estrangeiras.