Bancada da Bala quer flexibilizar Estatuto do Desarmamento

DESARMAMENTO

Nesta quinta-feira (24), na comissão especial da Câmara dos Deputados, vai acontecer a votação do PL 3722/12, de autoria do deputado Rogério Peninha (PMDB-SC) e relatoria de Laudívio Carvalho (PMDB-MG), que revoga o Estatuto do Desarmamento e facilita o acesso às armas em diversas categorias.

O projeto prevê diversas alterações no Estatuto, propostas pelo relator Laudívio Carvalho, como a redução da idade mínima para compra de armas, de 25 para 21 anos, e autoriza o porte de armas para parlamentares, advogados, professores, taxistas, caminhoneiros e mais 12 categorias, desde que estejam no exercício da profissão. O PL diminui ainda a pena prevista para o porte ilegal e tira da ilegalidade o acesso às armas para quem responder por processo criminal culposo.

Quer mais absurdo? Pelo Estatuto, o registro para concessão de porte de armas é de competência apenas da Polícia Federal. Na proposta apresentada, essa possibilidade estende-se para as outras polícias e faz com que, uma vez obtida a concessão, ela não precise ser renovada.

Mas, afinal, quais são os reais interesses em aprovar o PL 3722? A quem realmente interessa a flexibilização do porte de armas para os cidadãos? Um levantamento feito pelo Instituto Sou da Paz mostra que o setor contribuiu para campanhas de 14 deputados federais e sete estaduais. Ao todo, os fabricantes de armas e munições destinaram R$ 1,73 milhão para políticos de 12 partidos em 15 estados.

O PMDB foi o partido com o maior número de deputados federais candidatos nas eleições de outubro financiados pela indústria de armas e munições. As doações dessa indústria aos quatro deputados candidatos do PMDB totalizaram R$ 100 mil em 2014. São eles: Édio Lopes (RR), Fábio de Almeida, Alceu Moreirra (RS) e Ronaldo Benedet (SC).

O projeto facilita o porte de armas para o cidadão comum, descentraliza o procedimento de concessão do porte e tira a obrigatoriedade de renovação da concessão a cada três anos, estabelecida no Estatuto. Essa semana, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para pedir que o PL 3722 não avance na Casa.

O Estatuto do Desarmamento é uma conquista de direitos e, em 10 anos, já evitou a morte de 121 mil pessoas em todo o Brasil. Não ao PL 3722, aumentar o porte de armas não diminui a violência. Pelo contrário, só aumenta o risco para a sociedade. Precisamos de mais políticas públicas de segurança, não de armas nas mãos dos cidadãos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s